O que é Logística 4.0?

Como as fábricas estão incorporando tecnologia inovadora e inteligente para construir fluxos de trabalho interoperáveis e conectados, a cadeia de fornecimento contemporânea tem se tornado mais sofisticada, mais ligada em rede e tecnologicamente avançada. Enquanto a quarta revolução industrial é o foco das atenções, outra está ocorrendo simultaneamente no campo da logística e está mudando a maneira como os produtos viajam das instalações de fabricação para os clientes. Com o conceito de Indústria 4.0 algumas pessoas começaram a se referir a este novo modelo de logística na forma da Logística 4.0 – mas a que exatamente isto se refere?

O que é Logística 4.0?

O que é Logística 4.0?

Componentes

A indústria 4.0 foi parcialmente definida pela utilização de equipamentos de comunicação máquina-a-máquina, bem como de Internet das coisas (IoT) para criar fábricas que funcionam como casas inteligentes. Um sortimento de máquinas e aparelhos está constantemente em comunicação para formar um sistema extremamente visível e coeso. Em um mundo perfeito, o resultado é que áreas de desperdício e ineficiência são identificadas e certas escolhas podem ser feitas mais eficientes e procedimentos simples (ou difíceis) são automatizados. A logística 4.0 se baseia nos mesmos princípios, porém com um conjunto distinto de componentes. Em particular, ela utiliza contêineres “inteligentes”, paletes de veículos, caminhões e outros sistemas de transporte para criar uma cadeia de abastecimento totalmente conectada que fornece aos expedidores, gerentes de cadeia de abastecimento, agentes de carga e outros profissionais a capacidade de gerenciar rotas de transporte e outras tarefas logísticas de forma eficiente.

O efeito imediato do estabelecimento de uma cadeia de valor digital e conectada tem sido que os dados de missão crítica não só são acessíveis como também facilmente utilizáveis. Com um maior grau de transparência que está embutido na cadeia de abastecimento, torna-se possível identificar possíveis gargalos e quebras antes do tempo e elaborar estratégias para neutralizá-los ou planejar backups antes da necessidade de manter o bom funcionamento.

Por exemplo, um gerente de cadeia de fornecimento que tenha acesso às informações de um armazém equipado com IoT poderia ser capaz de determinar, observando as condições de luz e calor, que um determinado produto ou grupo de itens poderia ser suscetível a danos. Mesmo que fosse tarde demais para parar o dano, o simples fato de estar ciente do problema poderia permitir ao armazém enviar o pedido para reabastecimento do estoque danificado (e provavelmente descartado). Em um sistema altamente sofisticado, os sensores no armazém poderiam emitir um alarme ao fornecedor de que um pedido de reabastecimento era necessário sem qualquer intervenção de um humano.

Desafios

Embora o Logistics 4.0 represente uma proposta de valor agregado significativo para empresas que tentam navegar pelo labirinto da cadeia de abastecimento em todo o mundo, mas a maximização das vantagens potenciais dessas tecnologias pode criar alguns desafios para as empresas. Três dos maiores problemas que essas empresas têm que superar são:

  • Eliminar a TI Sombra e os silos de informação
  • Liberte-se do plano orientado para o passado
  • A planilha deve ir.

Destes desafios que se colocam, um dos mais cruciais é “abandonar a planilha”. Não apenas os planejadores se fecham e contribuem para a criação de silos de informação através da criação de planos usando também o Excel, mas também minam a idéia de fluxos de trabalho transparentes e abertos, o que é essencial para o sucesso da cadeia de fornecimento de hoje. Este tipo de fluxo de trabalho é um exemplo sintomático das estruturas organizacionais que causam coisas como TI Sombra e processos decisórios silotizados e criam uma cadeia de fornecimento voltada para o futuro e voltada para o futuro quase impossível. Quando isto acontece, as empresas ficam frequentemente presas em um loop de planejamento que se baseia em eventos passados, apenas para ter que se adaptar a avarias inesperadas.

Novas Fronteiras

As exigências impostas às empresas que procuram adotar fluxos de trabalho logístico mais eficientes não devem ser descartadas de ânimo leve, elas são ingênuas em comparação com as inúmeras maneiras pelas quais a logística 4.0 agregará valor. A curto prazo, um aumento na visibilidade de ponta a ponta (E2E), bem como a capacidade de ver uma visão mais abrangente de sua cadeia de abastecimento, são certamente oportunidades significativas de valor agregado para as empresas que podem alcançar estes objetivos. No futuro próximo, o conceito de Logística 4.0 poderá abrir as portas para um novo e inovador conceito de fluxos de valor, baseado em veículos com direção própria (também conhecidos como veículos sem motorista), bem como na operação automatizada de armazéns e, possivelmente, até mesmo a remoção de armazéns completamente a favor de entregas inteligentes que tenham total integração no processo de produção de veículos mais inteligentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima