MPEs negativadas chegam a quase 5 milhões em 2017

Número de empresas inadimplentes é 10,8% maior ao registrado em dezembro de 2016. Região Sudeste lidera o ranking negativo, com 53,8% do total

Seta de gráfico caindo

(Crédito: arsgera/123RF)

O número de micro e pequenas empresas inadimplentes no Brasil chegou a 4,937 milhões em 2017. Os números foram divulgados pela Serasa Experian. Este é o maior número de empresas negativadas desde março de 2016, quando o levantamento começou a ser feito.

Aumento de 10,8% de inadimplentes

Segundo a Serasa Experian, a quantidade de CNPJs de MPEs com dívidas atrasadas em dezembro de 2017 é 10,8% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior. Em dezembro de 2016, o número era de 4,455 milhões.
+Leia também: MEI: Receita federal cancela 1,4 milhão de CNPJ

Ainda de acordo com a pesquisa, do total de 4,937 milhões de MPEs no vermelho em dezembro de 2017, 45,8% eram prestadoras de serviços. Outras 45,1% eram empresas comerciais e as 8,7% restantes eram indústrias.

Sudeste concentra as negativadas

A região Sudeste concentrou a maior porcentagem de micro e pequenas empresas inadimplentes, com 53,8% do total. Em seguida, aparece o Nordeste, com 16,3%. O Sul tem 15,8%, enquanto o Centro-Oeste aparece com 8,7% e o Norte tem 5,3% de inadimplentes.

Entre os estados, São Paulo tem o maior número de empresas negativadas, com 32,6% do total. Minas Gerais vem na sequência, com 11%, enquanto o Rio de Janeiro aparece em terceiro lugar, com 8,1%.

Cadastre-se e receba novidades e dicas sobre empreendedorismo

Alguns fatores foram determinantes para o aumento de MPEs negativadas. De acordo com os economistas da Serasa, a maior fragilidade financeira, o fato de se concentrarem no setor de serviços –  que ainda registrou baixo dinamismo em 2017 – e as maiores dificuldades de acesso ao crédito impulsionaram a inadimplências ao longo de 2017.

Inadimplência preocupa o setor

As MPEs respondem por 27% do PIB. Por isso, o recorde de inadimplência traz preocupação para o setor. De acordo com a Serasa, o caminho para os empresários que estão nessa situação passa pela renegociação das contas atrasadas e consequente reinserção no mercado de crédito.