Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato

Os problemas que teve durante a gestação fizeram Gabriela Framback mudar suas prioridades e investir no empreendedorismo materno

Príncipe e Branca de Neve

Príncipe e Branca de Neve (Crédito: acervo pessoal)

A maternidade muda para sempre a vida da mulher. Isso inclui a carreira profissional. É sempre muito difícil para as mães saírem de casa e terem que deixar seus bebês com familiares ou com profissionais nas quais precisam aprender a confiar. E é justamente nesse momento que muitas mulheres repensam suas escolhas. Foi o que aconteceu com Gabriela Framback, dona do Mimos da Gabi, que mergulhou no empreendedorismo materno e criou um negócio de artesanato com feltro.

Gabriela trabalhava no setor administrativo da Coordenação de Saúde da Prefeitura do Rio de Janeiro. Até engravidar e descobrir que tinha uma gravidez de risco. Logo precisou tomar sua primeira decisão de mãe: tirou licença e ficou de repouso em casa.

Para ajudar a passar o tempo, começou a fazer os primeiros trabalhos artesanais em feltro. Primeiro para a decoração do aniversário da sobrinha, depois para o chá de bebê do filho.

“Eu não queria ficar só deitada. Era uma distração. Mas todo mundo comentava que eu tinha talento e que precisava investir nisso”, lembra Gabriela.

A chegada de Lucas

Lucas nasceu em abril de 2014. Com oito meses de vida, descobriu-se que ele tinha intolerância à lactose. Foi quando Gabriela decidiu ser mãe em tempo integral.

Cadastre-se e receba novidades e dicas sobre empreendedorismo

“Pedi demissão quando ele tinha nove meses. Eu queria ficar com ele”, conta a empreendedora.

+Leia também: Direitos do MEI: veja como solicitar o salário-maternidade

Com a nova rotina, Gabriela deixou de lado até mesmo o artesanato. Só voltou a se interessar com a chegada do aniversário de um ano do Lucas. Decidiu fazer toda decoração da mesa e as lembrancinhas da festa. Aos poucos, ela voltou a dar atenção ao hobby dos tempos de gravidez e passou a fazer mais alguns produtos.

“Eu não tinha uma meta de salário. Se vendesse, ótimo. Se não vendesse, tudo bem”, diz Gabriela.

Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato
Princesa Aurora (Crédito: acervo pessoal)
Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato
Enfeite de porta de maternidade (Crédito: acervo pessoal)
Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato
Mulher Maravilha (Crédito: acervo pessoal)
Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato
Lobo mau e os três porquinhos (Crédito: acervo pessoal)
Após gravidez de risco, mãe empreende com artesanato
Príncipe e Branca de Neve (Crédito: acervo pessoal)

O encontro com o Maternativa

Quando Lucas tinha um ano e meio, Gabriela conheceu no Facebook o grupo Maternativa. Através dele, começou a ter contato com outras mães e descobriu o empreendedorismo materno.

“A maternidade é um momento muito difícil. Você fica muito sozinha. O marido trabalha o dia inteiro e chega cansado e não consegue dar a atenção que você precisa. No grupo você consegue conversar com outras mães, tirar suas dúvidas, desabafar…”, explica a empreendedora.

+Leia também: Maternativa: a rede de mães que virou uma startup

Dentro desse mundo materno, começou a ver as mães divulgando seus trabalhos, fazendo vendas e conseguindo ter suas rendas. Foi nesse momento que ela percebeu que podia sim fazer do hobby um trabalho e ainda cuidar do seu filho.

“O Maternativa me deu o clique. Eu podia sim trabalhar sem sair de casa e sem precisar deixar meu bebê com ninguém”, lembra a empresária.

Por intermédio dos grupos de mãe no Facebook, Gabriela começou a ver suas vendas crescerem e seu negócio tomando forma.

“Meu público-alvo são as mães. E noventa e cinco por cento delas são de São Paulo”, afirma Gabriela.

Foto de Gabriela Framback, artesã da Mimos da Gabi, com o filho Lucas

Mimos da Gabi

Seu artesanato em feltro é especializado em decoração infantil. É pelo Facebook que Gabriela faz suas vendas. Além de ser a responsável por toda a produção, ela precisa fazer um trabalho ativo de divulgação na rede social.

“O que gera vendas não é a minha página, são os meus anúncios em outras páginas e grupos. Se eu não divulgar, não vendo”, explica a empresária.

Leia também:
– Marketing nas redes sociais: veja 4 dicas de planejamento
– Vitrine online: 3 dicas certeiras do Facebook para negócios
– 3 dicas para engajar seus clientes nas redes sociais

O carro-chefe do seu negócio é a sua árvore de Natal para os pequenos. Depois do nascimento do Lucas, Gabriela percebeu o quanto as crianças mexem na árvore e teve a ideia de criar uma voltada para as crianças com 1,3 m de altura e enfeites de velcro.

“Em 2017, vendi de setenta peças dessa árvore entre setembro e dezembro. Fora os outros enfeites decorativos para o Natal”, conta.

Árvore de natal de feltro da Mimos da Gabi

Como o fim do ano é a época que Gabriela mais vende, é preciso uma organização financeira para equilibrar com os meses de baixo movimento.

“Minha faixa salarial gira em torno de mil e mil e quinhentos reais. No fim do ano, consigo ganhar quatro e cinco mil reais. Por isso, preciso sempre lembrar que os meses de janeiro e fevereiro têm menos vendas”, revela.

+Leia também: Como aumentar as vendas em período de baixo movimento

Para ampliar suas vendas, Gabriela está investindo em uma parceria para vender fisicamente seus produtos. A ideia é estar em um espaço voltado para mães na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro.

Sua meta é participar das grandes feiras de bebê e gestantes. Por serem eventos com alto investimento inicial, ela vai se organizando financeiramente enquanto o filho cresce.

“Ele ainda é pequeno e demanda muita atenção. Preciso de mais tempo para produzir peças em grande quantidade para essas feiras. Seriam mais de duzentas peças. Fora as minhas encomendas”, revela a empresária.

Rotina de mãe empreendedora

Enquanto Lucas vai crescendo, Gabriela vai dividindo seu tempo como dá. Trabalha enquanto ele está na escola ou enquanto ele dorme.

“O Lucas é uma criança que dorme bem. E isso ajuda muito meu trabalho”, diz Gabriela que, para dar atenção às clientes, não se importa com a hora: “se preciso, viro a madrugada trabalhando. Depende das encomendas”, garante.

+Leia também: Mãe empreendedora: 7 dicas para achar o equilíbrio

Apesar da rotina, muitas vezes estressante, Gabriela prefere seguir com sua empresa a voltar ao mercado formal. E finaliza reafirmando seu amor ao filho.

“Não quero ganhar rios de dinheiro e não estar perto dele. Meu foco é o Lucas”, decreta a empreendedora.

Gostou da história da Gabriela? Escreva para o Negociarias contando como começou no empreendedorismo. Você pode ser nossa próxima matéria!